Andréa Cristina

Ela relata que há um ano começou a não se sentir muito bem com tontura, dor de cabeça, fraqueza que não passava. Então foi a um plantão médico para uma consulta. Era véspera do dia das mães. Após vários exames, o plantonista disse que teria que chamar um hematologista, pois ela não tinha hemoglobina suficiente para estar em pé. Ali naquele momento, ela já sabia Deus a estava segurando, pois ela estava em pé.

A médica, então, disse que Andréa teria que se internar para transfusão de sangue e plaquetas urgente. Depois de vários outros exames já internada, já transfundido sangue e plaquetas soube que teria que fazer o exame da medula óssea. Feito o exame veio a notícia que ninguém gostaria de ouvir: LEUCEMIA (OU CÂNCER NO SANGUE). A médica explicou que existem vários tipos de leucemia, mas que ela torceria para ser a LEUCEMIA MIELÓIDE 3, pois embora mais agressiva, entrando rapidamente com tratamento, a chance de cura é grande. Naquele instante Andréa sentiu o mundo desabar, veio o choro, o desespero, o medo de não ver mais seus filhos, o desespero de sua mãe, de seu marido, irmão, cunhada, enfim, de todos que estavam ao seu lado.

Então, Andréa se ajoelhou e disse: “Senhor eu não tenho nada a oferecer. Se achares que sou digna de receber a cura e de ver meus filhos crescerem, eu preciso do seu milagre, só posso oferecer meu testemunho de fé onde eu for,  assim levar Seu nome. A única coisa que peço é que me dê somente o que eu possa suportar.” Em seguida, chamou sua família e falou: “não quero choro, nem lamentação a única coisa que eu  peço é que dobrem seus joelhos e rezem por mim.”

E assim começaram as correntes de orações. Ela acredita que Deus é o Deus do impossível e faria seu milagre. Pediu a intercessão de  Nossa Senhora Aparecida, de Santa Rita de Cássia  e São Miguel Arcanjo.

Começou o tratamento e com ele, todos os efeitos ruins e difíceis. Ela, sempre com seu terço e suas imagens no hospital. Numa das noites na UTI percebeu que uma pessoa passou a noite inteira sentada em uma cadeira ao seu lado. Ao amanhecer perguntou ao enfermeiro quem havia passado a noite ali e o enfermeiro lhe disse que ela havia passado a noite sozinha, estava isolada. Andréa contou ao seu marido que lhe disse que JESUS havia passado a noite ao seu lado, que ela deveria ficar tranquila, pois já havia sido curada.

E os dias se seguiam entre altos e baixos. Com 39 dias de internação ela diz que teve o dia mais feliz de sua vida, pois, a médica entrou no quarto e dizendo que suas plaquetas subiram e sua imunidade estava normal. Disse a médica: “ quero que saia do hospital agora e vá ver seus filhos.

Ela foi pra casa se recuperar um pouco porque ainda teria pela frente outras cinco internações.

Num total de 78 dias de internação, 28 bolsas de sangue, 15 bolsas de plaquetas ela só tem a agradecer, pois Deus sempre se mostrou presente em cada detalhe: nos enfermeiros do quarto da UTI, dos que iam transfundir o sangue, na médica, no plantonista do dia 12/05 em todos que estiveram ao seu lado Ele se fez presente. Sentia a presença forte no pão e vinho recebido toda semana pelos ministros ZUFFA E CIDA.

Com a Graça de Deus e a Intercessão de  Santa Rita de Cássia, Nossa Senhora Aparecida e São Miguel Arcanjo, Andréa não tem mais a leucemia. Ela venceu o câncer. Agora continua o tratamento  por mais  dois anos, com injeções semanais, remédios diários e quimioterapia. Sua batalha ainda continua, mas sabe que Deus está e estará sempre ao seu lado.

Andréa agradece a Deus pelo dom da vida, pela sua cura. E agradece a Santa Rita de Cássia pela sua poderosa intercessão.

Santa Rita de Cássia, rogai por nós!

Esse testemunho foi relatado publicamente no dia 20 de maio de 2019, no 2º Dia do Tríduo de Santa Rita de Cássia na Igreja Matriz da Paróquia Santa Rita de Cássia em Celebração Eucarística Solene das 19h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *